José Eudes Gomes, Um Escandaloso Theatro de Horrores: A capitania do Ceará sob o espectro da violência- Un scandaleux théâtre des horreures: La Capitainerie du Ceará sous le spectre de la violence et As Milícias d’El Rey: Tropas militares e poder no Ceará setecentista- Les Milices d’El Rey: Troupes Militaires et Pouvoir au Ceará

Um Escandaloso Theatro de Horrores:

A capitania do Ceará sob o espectro da violência

Autor: José Eudes Arrais Barroso Gomes
Editora: Imprensa Universitária/UFC
Cidade: Fortaleza
Ano: 2010
Número de páginas: 284
Formato: 14x21cm
Por: R$ 30,00

Sinopse

O livro analisa a violência como forte elemento constitutivo das relações sociais na capitania do Ceará setecentista. Discute temas como: a presença da violência nos relatos dos viajantes europeus que visitaram o Ceará nas primeiras décadas do século XIX; o processo de efetiva conquista e colonização da capitania através das guerras aos índios e do estabelecimento de fazendas de gado; a política de envio de ciganos e vadios para os sertões cearenses, a ampla ocorrência de crimes, assassinatos, atentados, ameaças, tocaias, vinganças, guerras entre famílias poderosas, arrombamento de cadeias e furto de gados; as freqüentes queixas dos capitães-mores e ouvidores enviados ao Ceará acerca da violência que grassava na capitania, os clamores sobre a ausência e precariedade das cadeias na capitania; as tentativas de controle das populações sertanejas através de medidas como a criação de vilas, os alistamentos militares e a obrigatoriedade do uso de passaportes e licenças a partir da década de 1760;.

 

Índice

Apresentação

Introdução

1 | Olhares estrangeiros: imagens da permanência, imagens da violência

George Gardner: Ceará, terra sem lei

Henry Koster: violência e poder

2 | Os caminhos do gado: a expansão da pecuária e a colonização dos sertões cearenses
As lutas

As terras

Os nomes

As lidas

3 | Um “escandaloso theatro de horrores”: a capitania do Ceará sob o espectro da violência
“Vagabundos e ladrões, vadios e facinorosos”: a violência nos sertões
Cotidiano em armas: o disseminado uso de armas e sua proibição
Atentados à propriedade: o “abominável” roubo de gados
Vidas por um fio: as querelas do cotidiano e os termos de segurança de vida
A justiça em ruínas: a trama das cadeias públicas

 

4 | “As paternaes providências d’El Rey”: racionalização, reformas e controle social nos sertões
Vilas para os “vagamundos”, diretórios para os índios e dízimos para El-Rey

Alistamentos, passaportes e licenças: população volante e deserção

Considerações finais

Anexos

Fontes e bibliografia

 

 

 

As Milícias d’El Rey:

Tropas militares e poder no Ceará setecentista

Autor: José Eudes Gomes
Editora: FGV
Cidade: Rio de Janeiro
Ano: 2010
Número de páginas: 360
Formato: 16x23cm
Por: R$ 52,00

http://www.editora.fgv.br/?sub=produto&id=400

Sinopse

Este livro analisa a formação, organização e atuação dos diferentes tipos de tropas militares no Ceará setecentista. Tema pouco estudado na historiografia brasileira, o serviço das armas exerceu papel fundamental no pacto político estabelecido entre a Coroa lusitana e os poderes locais no Império ultramarino português. José Eudes Gomes inova ao considerar a pluralidade de adaptações, as irregularidades e a intensa participação das populações locais, indígenas ou não europeias, na conquista e colonização do Ceará. Comandadas pelos poderosos do sertão, as milícias Del Rey foram decisivas na definição dos estatutos e hierarquias sociais da região.

Índice

O Prêmio Pronex/UFF Culturas Políticas
Apresentação

Introdução

1
 | O serviço d’armas e o Império
“Homens de armas” e hierarquias sociais
A guerra no norte da África e a remuneração dos serviços
Conquista e senhoria do “Mar Oceano”
Entre a guerra ultramarina e as ordenanças
As milícias da Restauração
O Estado da Índia e o Extremo Oriente
O mundo Atlântico e a América portuguesa

2
 | Terras e patentes a serviço da conquista
A “limpeza da terra” a sangue e fogo
A mercê da terra nos sertões da pecuária
Os paulistas e as jornadas do sertão
Os primeiros senhores das armas da conquista
Participação e remuneração das “tropas gentias”

3
 | As armas em nome de Sua Altíssima Majestade
Os “soldados d’El Rey”
Irregularidades e engodos na busca por privilégios
As armas e o governo da “República”
Os mapas das armas
Fazendo novos vassalos

Considerações finais: Um sertão da grande Atlântida

Anexos

Fontes e bibliografia

 


Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *