Hugo Dores, publications…

Dores, Hugo Gonçalves e Miguel Bandeira Jerónimo, “As Missões e o Império”, in Miguel Bandeira Jerónimo (ed.), O Império Colonial em Questão (Lisboa: Edições 70, Colecção História&Sociedade, 2012, pp. 119-156)
Dores, Hugo Gonçalves, « Silva Rego et la Missiologie: Principes de la méthode missionnaire pour l’Empire Coloniale Portugais », in Hugues Didier and Madalena Larcher (dir.), PÉDAGOGIES MISSIONNAIRES, TRADUIRE, TRANSMETTRE, TRANSCULTURER (Paris: Karthala, 2012, pp.  317-328).

Susana Chalante, O discurso do Estado salazarista perante o “indesejável” (1933-1939)- Le discours de l’État salazariste faxe à « l’indesejável » (1933-1939), in Análise Social, vol. XLVI (198), 2011, 41-63

The Salazarist State rhetoric on the “unwanted” (1933-1939)

Análise Social, vol. XLVI (198), 2011, 41-63

Susana Chalante

This study examines the reaction of the Portuguese government, given the presence
of foreigners in Portugal, in a context of change in domestic and international policy,
between early 1930 and the eve of World War II.
Based on an analysis of legislation and internal circulars produced by various state
agencies, we examine the evolution of the State’s rhetoric regarding the “other”.
Gradually, beginning in 1933, Jews, Russians (associated with the spread of
communism), and stateless persons were to be identified as “invaders”, dictating the
effectiveness of internal rules restricting the entry into the country.
Keywords: Estado Novo; immigration; foreigners; Jews; Russians.

José Eudes Gomes, Um Escandaloso Theatro de Horrores: A capitania do Ceará sob o espectro da violência- Un scandaleux théâtre des horreures: La Capitainerie du Ceará sous le spectre de la violence et As Milícias d’El Rey: Tropas militares e poder no Ceará setecentista- Les Milices d’El Rey: Troupes Militaires et Pouvoir au Ceará

Um Escandaloso Theatro de Horrores:

A capitania do Ceará sob o espectro da violência

Autor: José Eudes Arrais Barroso Gomes
Editora: Imprensa Universitária/UFC
Cidade: Fortaleza
Ano: 2010
Número de páginas: 284
Formato: 14x21cm
Por: R$ 30,00

Sinopse

O livro analisa a violência como forte elemento constitutivo das relações sociais na capitania do Ceará setecentista. Discute temas como: a presença da violência nos relatos dos viajantes europeus que visitaram o Ceará nas primeiras décadas do século XIX; o processo de efetiva conquista e colonização da capitania através das guerras aos índios e do estabelecimento de fazendas de gado; a política de envio de ciganos e vadios para os sertões cearenses, a ampla ocorrência de crimes, assassinatos, atentados, ameaças, tocaias, vinganças, guerras entre famílias poderosas, arrombamento de cadeias e furto de gados; as freqüentes queixas dos capitães-mores e ouvidores enviados ao Ceará acerca da violência que grassava na capitania, os clamores sobre a ausência e precariedade das cadeias na capitania; as tentativas de controle das populações sertanejas através de medidas como a criação de vilas, os alistamentos militares e a obrigatoriedade do uso de passaportes e licenças a partir da década de 1760;.

 

Índice

Apresentação

Introdução

1 | Olhares estrangeiros: imagens da permanência, imagens da violência

George Gardner: Ceará, terra sem lei

Henry Koster: violência e poder

2 | Os caminhos do gado: a expansão da pecuária e a colonização dos sertões cearenses
As lutas

As terras

Os nomes

As lidas

3 | Um “escandaloso theatro de horrores”: a capitania do Ceará sob o espectro da violência
“Vagabundos e ladrões, vadios e facinorosos”: a violência nos sertões
Cotidiano em armas: o disseminado uso de armas e sua proibição
Atentados à propriedade: o “abominável” roubo de gados
Vidas por um fio: as querelas do cotidiano e os termos de segurança de vida
A justiça em ruínas: a trama das cadeias públicas

 

4 | “As paternaes providências d’El Rey”: racionalização, reformas e controle social nos sertões
Vilas para os “vagamundos”, diretórios para os índios e dízimos para El-Rey

Alistamentos, passaportes e licenças: população volante e deserção

Considerações finais

Anexos

Fontes e bibliografia

 

 

 

As Milícias d’El Rey:

Tropas militares e poder no Ceará setecentista

Autor: José Eudes Gomes
Editora: FGV
Cidade: Rio de Janeiro
Ano: 2010
Número de páginas: 360
Formato: 16x23cm
Por: R$ 52,00

http://www.editora.fgv.br/?sub=produto&id=400

Sinopse

Este livro analisa a formação, organização e atuação dos diferentes tipos de tropas militares no Ceará setecentista. Tema pouco estudado na historiografia brasileira, o serviço das armas exerceu papel fundamental no pacto político estabelecido entre a Coroa lusitana e os poderes locais no Império ultramarino português. José Eudes Gomes inova ao considerar a pluralidade de adaptações, as irregularidades e a intensa participação das populações locais, indígenas ou não europeias, na conquista e colonização do Ceará. Comandadas pelos poderosos do sertão, as milícias Del Rey foram decisivas na definição dos estatutos e hierarquias sociais da região.

Índice

O Prêmio Pronex/UFF Culturas Políticas
Apresentação

Introdução

1
 | O serviço d’armas e o Império
“Homens de armas” e hierarquias sociais
A guerra no norte da África e a remuneração dos serviços
Conquista e senhoria do “Mar Oceano”
Entre a guerra ultramarina e as ordenanças
As milícias da Restauração
O Estado da Índia e o Extremo Oriente
O mundo Atlântico e a América portuguesa

2
 | Terras e patentes a serviço da conquista
A “limpeza da terra” a sangue e fogo
A mercê da terra nos sertões da pecuária
Os paulistas e as jornadas do sertão
Os primeiros senhores das armas da conquista
Participação e remuneração das “tropas gentias”

3
 | As armas em nome de Sua Altíssima Majestade
Os “soldados d’El Rey”
Irregularidades e engodos na busca por privilégios
As armas e o governo da “República”
Os mapas das armas
Fazendo novos vassalos

Considerações finais: Um sertão da grande Atlântida

Anexos

Fontes e bibliografia